Ocorreu um erro neste gadget

sábado, 7 de julho de 2012

Tristania: Rubicon



Quando começaram a pipocar as bandas de Gothic Metal com vocais femininos, o que não faltava era uma banda com uma linda moça na comissão de frente com dotes vocálicos interessantes, instrumental sem muito alarde, mas o suficiente para fazer o arroz e feijão bem feito. Nomes como: Nightwish, Lacuna Coil, After Forever, Epica, Within Temptation e Tristania eram sinônimos de casa cheia e fãs em cada canto do planeta. Mas não foi só de gloria que o estilo viveu, tendo, em muitas dessas formações, a ausência de essenciais integrantes como é o caso da banda norueguesa Tristania, quando alguns de seus ases, Morten Veland e Vibeke Stene, pularam fora do barco, deixando a banda à deriva quanto a qual direção seguir. O norte veio com a cantora italiana Mariangela Demurtas e, consequentemente, no álbum de estúdio intitulado de Rubicon.
Em Rubicon ainda se encontra os elementos que nortearam a carreira da banda, mas nem perto com a pompa de antes. Mas não há como negar que o Tristania de hoje respira outros ares, visto que da formação original apenas Einar Moen (teclado) e Anders Hidle (guitarra) integram a banda. Um fã cético perguntaria: isso é bom ou ruim? Tudo vai depender de você, ouvinte. Rubicon é uma boa tentativa de rememorar o passado de gloria, tentando distanciar ao máximo os fantasmas dos ex-integrantes, e mais, o álbum nem de longe parece aquele “catadão de estúdio”, onde a banda reprocessa as sobras de outros discos e apresenta ao público com a cara mais mal lavada do mundo. 


Os destaques de Rubicon ficam no vocal da italiana Mariangela Demurtas, que teve a prudência de não copiar sua antecessora Vibeke; a boa produção e co-produção a cargo de Anders Hidle e Waldemar Sorychta, respectivamente. O destaque nas canções fica pelo ‘open act’ Year of the Rat, as pesadas Patriot Games, Protection e Vulture e o fato do álbum ser dinâmico, o que não deixa o ouvinte enfadado a ponto de contar os minutos para que o disco acabe. 

Rubicon é lançado no Brasil via Die Hard Records, que também está disponibilizando álbuns como: Jordpuls (Vintersog); Place to Hide (Santarem); The Lay of Thrym (Tyr); Strenght of Feel e Pound for Pound (Anvil) e Alive in Athens (Iced Earth). Então, caro leitor, não há desculpas para ficar sem a sua cópia, porque bons títulos a Die Hard Records está fazendo o grande favor de colocar no nosso mercado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário