Ocorreu um erro neste gadget

segunda-feira, 4 de março de 2013

Lacuna Coil - Dark Adrenaline Tour - Rio de Janeiro


Depois de uma fantástica estreia em palcos brasileiros quando da divulgação do álbum Shallow Life, em 2010, e a comemoração dos 20 anos da produtora Liberation no ano passado, a banda italiana, Lacuna Coil, estava devendo uma visita com uma programação mais estendida, visto que nas duas primeiras visitas a banda só passara pela cidade de São Paulo. Dessa vez, a Liberation alocou, sabiamente, três apresentações em território brasileiro – Rio de Janeiro (01/03); São Paulo (02/03) e Porto Alegre (03/03) -, garantindo a alegria do público que ansiava pela apresentação dos italianos. 

A noite chuvosa na capital carioca começou com os acordes da banda, Painside, que defendeu bem seu heavy metal tradicional que vez ou outra flerta com sotaque thrash. A banda tem todo potencial para se firmar como um nome forte na cena metálica nacional, mas para tal se faz necessário aparar algumas arestas e trazer à banda uma postura mais profissional em sua apresentação, evitando a desarmonia aonde alguns integrantes falam em demasia entre as canções e ao mesmo tempo. Todavia, há potencial e vislumbra grande oportunidade de dar passos largos na carreira.


Já passava das 23h30min quando o ‘headliner’ da noite deu o ar da graça e marcaria, em grande estilo, sua estreia em território fluminense. Sob o peculiar peso de “I Don’t Believe in Tomorrow” já se denotava que a noite seria pautada pela pujança das canções; carisma dos músicos e por um público ávido à obra dos italianos. Com clima nas alturas, “I Won’t Tell You” e “Kill the Light” vieram atear ainda mais fogo à pista do Circo Voador e alardear que a carreira da banda é, sim, alicerçada e sobreposta por uma discografia vigorosa, rechaçando equivocadas ideias aonde se apregoa, erroneamente, superficialidade em suas obras.

Com a simpatia que lhe é característica, o vocalista Andrea Ferro – completa a banda Cristina Scabbia (vocal); Cristiano ‘Pizza’ Migliore (guitarra); Marco Emanuele Biazzi (guitarra); Ryan Blake Folden (bateria) e Marco Coti Zelati (baixo) – fez as honras da casa e anunciou “Self Deception”, a primeira representante do álbum, Comalies, que marcou o passaporte e garantiu visto de permanência da banda em território norte americano. E é impossível não associar a palavra simpatia à pessoa da vocalista Cristina Scabbia, que se porta como uma verdadeira ‘frontwoman’, relegando ao limbo a vaidade e afetações que tanto permeiam o universo artístico. Perdoem-me os mais ortodoxos, mas faz valer a criação de uma caricata justaposição: uma pequena grande artista.

Assim como a já citada “Self Deception”, “Heaven’s a Lie” e “Swamped” trazem à tona o reconhecido e aprovado álbum de 2002, o que afiançou alguns dos maiores momentos da noite. “Fragile” e “To The Edge” rememoram o disco Karmacode, bem como “Senzafine” o álbum Unleashed Memories. 


De certo não era uma surpresa, uma vez que fora noticiado aos quatro ventos a apresentação do set acústico na perna latino-americana da turnê, sendo assim, quem nunca se afeiçoou ao formato pôde sair para comprar uma gelada e ou respirar ar puro fora da tenda do Circo, mas àqueles que não arredaram o pé da pista foram presenteados com o momento mais intimista da noite, extasiando-se com interpretações de canções do teor de “Falling Again”; “Closer” e Within Me.

No terceiro ato da noite, e de volta ao formato elétrico, a dobradinha “Our Truth” e “Upsidedown” retomam o peso e, lógico, a ambiência perfeita para um show de heavy metal. Ainda que a banda tivesse um tanto cansada, visto que fora direto do aeroporto para casa de show se apresentar e por conta de sua apertada agenda, não fora motivo para transparecer, perder o pique da apresentação ou mesmo fazer corpo mole, o que pôde ser constatado em “Survive” e “Trip of Darkness”. 
  
“Intoxicated” trouxe à mesa ácida crítica às pessoas que têm o péssimo habito sobrepujar o próximo a qualquer preço. Fato não raro nos dias de hoje, infelizmente. Visivelmente emocionada e satisfeita com o feedback do público, a senhorita Scabbia pede a participação de todos na última canção da noite, e o ‘gran finale’ é sob as melodias e versos de “Spellbound”. 

“Estávamos no camarim nos trocando para ir embora e ouvimos vocês nos gritando”, exclama Cristina. E não precisava ser nenhum gênio para deduzir o desejo dos fãs, afinal, o público já tinha amargado tempo demais na sala de espera para conferir o show dos italianos. Com isso, a canção, “My Spirit”, veio com a responsabilidade de colocar o ponto final na noite e homenagear o baixista/vocalista, Peter Steele (Type o Negative). 

As escorregadelas do dia ficaram por conta da ausência do baixista, Marco Coti Zelati. E por questões pessoais o baterista, Cristiano Mozzati, não está participando dessa perna da turnê, sendo substituído pelo citado Ryan Blake Folden (ex- The Agony Scene). Todavia, a estreia em território fluminense não poderia ser em melhor forma, e como promessa feita tem que ser cumprida, então, não demorará muito para um retorno aos palcos cariocas, visto que a bela vocalista jurou de pé junto que voltará muito em breve.