Ocorreu um erro neste gadget

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Talento e música: Namoro ou Inimizade?


Com o avanço da tecnologia, tudo em nossas vidas caminha para comodidade e facilidade. Até mesmo as mais simples tarefas possuem uma forma diferente de serem realizadas. Já não precisamos ficar horas e horas na fila do banco pagando contas e/ou tentando transferir uma quantia de dinheiro. Podemos fazer essas operações em caixas rápidos e internet, gastando poucos minutos, o que nos poupa tempo e paciência.

Esse avanço atingiu também o mundo da música. Aproveitando a carona da evolução, nasceram (e nascem) diversos softwares para facilitar a vida do músico, da produção, dos técnicos de som e das gravadoras. A principio todos saem ganhando com esses “novos brinquedos”, mas muitos questionamentos podem aparecer relacionados à seriedade daquele produto (a música). Para entendermos melhor, vamos voltar um pouco no final das décadas de 50 e 60, quando grandes nomes como Jerry Lee Lewis, Elvis Presley, Little Richard, Chuck Berry e Beatles mandavam na cena mundial. Na época, todas as gravações independiam do uso de tecnologia. Tudo era concebido de uma maneira “artesanal”, o foco era dado na capacidade e destreza dos músicos. As bandas iam para o estúdio para compor - as bandas mais organizadas já tinham toda a estrutura de como o disco deveria sair, no caso, a pré-produção. Com toda banda participando do processo criativo, mais o auxílio do produtor, o processo geralmente passava pela composição de um número razoável de canções para figurar no disco, a seleção das que mais se enquadrariam na proposta do álbum e, escolhidas as músicas, todas eram ensaiadas até a exaustão. Após essa etapa era feita a gravação do disco. Se necessário, dava-se alguns retoques nas composições até que finalmente ficassem perfeitas técnica e musicalmente. Como a tecnologia de hoje ainda era bem distante naquele período, a banda não tinha lá muitas opções para gravar. O jeito era ser extremamente “fera". O artista tocava “de verdade” dentro do estúdio. Não havia nada de gravar instrumentos separados e depois agrupá-los na mixagem. Tudo era gravado na mesma hora. Se o vocalista errava, a fita de rolo era parada, o técnico/engenheiro de som tinha que calcular o momento em que o músico errou e cortar essa parte posteriormente, emendando o resto da fita para ser gravado tudo novamente. Se na segunda tentativa o baterista perdesse o tempo, por exemplo, o mesmo procedimento se repetia até que a música fosse executada com perfeição por todos. A música era, de fato, a concepção de uma obra de arte. Musicalidade, talento, técnica, infinitas horas de estudo, domínio sobre o instrumento e uma boa dose de paciência eram ingredientes básicos para se ter um álbum.

Com a chegada dos anos 70 e 80, novos meios de gravação foram desenvolvidos. Já se podiam gravar inúmeros instrumentos, fazer edições e várias texturas de sonoridade em uma mesma música. Os estúdios já dispunham de uma boa estrutura de gravação, mas ainda assim a música era uma forma de arte, onde se conseguia manter vivo aquele “espírito” de outrora. Além disso, os músicos ainda tinham aqueles “ingredientes básicos” já citados. No final dos anos 80 e década de 90, muitos softwares foram desenvolvidos para os segmentos de gravações e edições,sempre tendo como aliado o bom instrumentista. Com a chegada do século XXI, ganhamos “milhares” de novos programas. Os chamados home studios (estúdios com equipamentos básicos de gravação montados em casa) conseguiam ter sua qualidade com o auxílio de softwares como o Pro-Tools (editor de áudio, considerado o Photoshop para músicas) e o Reason (editor de áudio), trazendo tudo o que existe de mais novo no mercado em se tratando de modulações, sonoridade, texturas, ondas sonoras, timbre, efeitos e manipulação de sons.

Todas as ferramentas citadas possibilitam um incrível suporte ao músico, mas o problema reside no fato de não precisar mais de talento para se fazer música/arte (?). Tudo pode ser manipulado em estúdio. De Britney Spears a Latino, dos rappers norte-americanos ao Calypso, tem-se a prova cabal de tal problema: a banalização da arte da música. A discussão é infinita. De um lado, grandes corporações querendo vender o máximo para a "massa”, angariando mais e mais dinheiro, e do outro, instrumentistas sérios sendo boicotados pelas gravadoras. Então, existem algumas perguntas: a arte da música se foi? Tudo é descartável? Consumimos sem ao menos conhecer o produto? Há ética onde milhões e milhões de dólares/reais/euros estão envolvidos? Talento é relevante nos dias atuais? Somos apenas uma peça para manipulação dos mais ricos e poderosos? Música ainda existe?. Vocês, leitores, pensem, discutam e reflitam sobre essas questões.

Nota: Esse artigo foi elaborado por mim e publicado no dia 28 de Junho de 2008 pelo site www.metalclube.com.

2 comentários:

  1. Não creio que a ARTE na musica um dia acabará. O artista músico sempre existirá, independente do avanço da tecnologia. Pelo contrário, a "facilidade" na produçao musical atualmente permitiu que muito mais pessoas se expressassem, o que é o objetivo primordial da arte musical. O maior problema atualmente é realmente a musica de massa, que é vendável a bilhoes de pessoas. Reparem, as musicas atualmente se resumem a alguns riffs eletronicos grudentos e trejeitos basicamente tribais (pegue como exemplo as movimentaçoes dos rappers norte americanos e da beyonce e as compare com as rodas indigenas ou arborigenes). Não adianta, isso sempre foi e sempre vai ser o que atrai a multidão. Infelizmente a midia, gananciosa, quer passar essa tendencia para todos. O fato é que a humanidade é burra e ignorante em sua maioria. Sempre foi e sempre será. E atualmente, com a facilidade da informaçao, onde nao há trabalho mental para nada, essa populaçao cresce e se torna visivelmente importante. O que manda no mundo é somente uma palavra: DINHEIRO. A tentativa fraca onde se prezou a arte sobre a facilidade na musica ( o que são 40 anos perto de 10000 de civilização) dos anos 50 aos 90, foi menor mesmo que o periodo do renascimento, que durou perto de 150 anos. O que aconteceu foi que a intelectualidade atual, e eu falo sem medo que me insiro nela, magnificou esse periodo de tempo "pós-guerra" onde a arte se elevou acima da massificaçao. Isso sempre aconteceu na humanidade após periodos conturbados (vide o renascimento após a idade média e os movimentos artisticos após a primeira guerra. Estamos em meio a um ciclo. A tecnologia tem sua parcela de culpa não pela facilitaçao da produçao musical, mas pela massificaçao do conhecimento FÁCIL. Sou músico (ou dentista?) e tenho uma banda onde imprimo sem medo meus frutos artísticos. Sabem, quero morrer underground! É lá que a arte resiste, que o intelecto prevalece sobre a ignorância. Nunca quero ver o verdadeiro rock`n roll mainstream, porque ele nunca o foi!(tomara que os beatlemaniacos entendam o que eu falo). Para que tudo mude, é necessário começarmos do zero como civilizaçao, e isso é impossível. O problema é mais embaixo. Irrelevando as tendencias, o que manda é o talento, a inteligencia. Não acredito num futuro promissor para a arte musical, comercialmente falando. Perguntem ao VanGogh o que ele achava de sua arte quando era vivo. Mas acredito no potencial criativo e transcedental de alguns desses maravilhosos seres chamados HUMANOS.

    ResponderExcluir
  2. Não creio que a ARTE na musica um dia acabará. O artista músico sempre existirá, independente do avanço da tecnologia. Pelo contrário, a "facilidade" na produçao musical atualmente permitiu que muito mais pessoas se expressassem, o que é o objetivo primordial da arte musical. O maior problema atualmente é realmente a musica de massa, que é vendável a bilhoes de pessoas. Reparem, as musicas atualmente se resumem a alguns riffs eletronicos grudentos e trejeitos basicamente tribais (pegue como exemplo as movimentaçoes dos rappers norte americanos e da beyonce e as compare com as rodas indigenas ou arborigenes). Não adianta, isso sempre foi e sempre vai ser o que atrai a multidão. Infelizmente a midia, gananciosa, quer passar essa tendencia para todos. O fato é que a humanidade é burra e ignorante em sua maioria. Sempre foi e sempre será. E atualmente, com a facilidade da informaçao, onde nao há trabalho mental para nada, essa populaçao cresce e se torna visivelmente importante. O que manda no mundo é somente uma palavra: DINHEIRO. A tentativa fraca onde se prezou a arte sobre a facilidade na musica ( o que são 40 anos perto de 10000 de civilização) dos anos 50 aos 90, foi menor mesmo que o periodo do renascimento, que durou perto de 150 anos. O que aconteceu foi que a intelectualidade atual, e eu falo sem medo que me insiro nela, magnificou esse periodo de tempo "pós-guerra" onde a arte se elevou acima da massificaçao. Isso sempre aconteceu na humanidade após periodos conturbados (vide o renascimento após a idade média e os movimentos artisticos após a primeira guerra. Estamos em meio a um ciclo. A tecnologia tem sua parcela de culpa não pela facilitaçao da produçao musical, mas pela massificaçao do conhecimento FÁCIL. Sou músico (ou dentista?) e tenho uma banda onde imprimo sem medo meus frutos artísticos. Sabem, quero morrer underground! É lá que a arte resiste, que o intelecto prevalece sobre a ignorância. Nunca quero ver o verdadeiro rock`n roll mainstream, porque ele nunca o foi!(tomara que os beatlemaniacos entendam o que eu falo). Para que tudo mude, é necessário começarmos do zero como civilizaçao, e isso é impossível. O problema é mais embaixo. Irrelevando as tendencias, o que manda é o talento, a inteligencia. Não acredito num futuro promissor para a arte musical, comercialmente falando. Perguntem ao VanGogh o que ele achava de sua arte quando era vivo. Mas acredito no potencial criativo e transcedental de alguns desses maravilhosos seres chamados HUMANOS.

    ResponderExcluir