Ocorreu um erro neste gadget

domingo, 21 de agosto de 2011

Mindflow: Breakthrough (Entrevista Parte Final)


Nesta última parte da longa entrevista com a banda Mindflow foram abordados temas diretamente ligados álbum, Destructive Device. Também foram reveladas algumas curiosidades desta, que é uma das maiores promessas do Prog Metal brasileiro.

O novo álbum representa um capitulo e uma evolução muito importante na carreira da banda. É perceptível que a banda conseguiu uma maior maturidade com as novas composições, como: “Lethal”, com inserção de vocais guturais, sendo uma das mais pesadas do disco, “Not Free Enough” com melodias marcantes e um “ar melancólico”... O quanto às experiências vividas com os álbuns anteriores e as turnês, contribuíram para as composições do ‘Destructive Device’?

Danilo Herbert: Muito e diretamente. O ’Destructive Device’ é o resultado de tudo que vivenciamos até esse ponto de nossa carreira. Depois de todo esse tempo, posso dizer que evoluímos em todos os sentidos, como músicos, como pessoas e também como banda. A sonoridade e coesão desse álbum reflete tudo isso.

A canção ‘Inapt World’ é umas das que mais me chamou atenção no disco. Ela possui um começo eletrizante e, logo cai o andamento, depois acompanhamos toda a evolução e dinâmica da música, transformando, novamente, em um som bem pesado, com inserção de vocais guturais e com um refrão bem melodioso.

Mas o ponto que mais me intrigou na canção foi a letra. Eu a interpretei como um grito de liberdade às amarras que a sociedade (Estado, Religião...) impõe sobre as pessoas, como uma forma de mostrar, que todos nós temos escolhas, podemos escolher o melhor ‘caminho’, e só depende de nós mesmos. Vocês poderiam comentar sobre o conceito dessa canção?


Danilo Ótima interpretação! O mais legal em se criar uma música é deixá-la livre para interpretações, pois você pode se identificar com ela de várias formas diferentes. Uma das mensagens contidas no conceito de ’Inapt World’ quer dizer exatamente que você citou acima.

Mas roteiristicamente falando ’Inapt World’ seria uma continuação para ’Not Free Enough’, que é inspirada em um caso verídico, um ato hediondo no qual uma pessoa é aprisionada por um maníaco e mantida em um quarto durante grande parte de sua vida, após anos e anos sonhando com a liberdade essa pessoa consegue escapar, mas ao ter contato com o mundo em que vivemos.

Ela chega à conclusão de que a sociedade, por sua vez, também é uma espécie de prisão, não vivemos em real liberdade aqui. Somos escravos de nossas próprias vidinhas, condenados a seguir modelos pré-definidos, obrigações sem sentido, sendo julgados por ser quem somos e forçados a nos tornar quem essa "sociedade" queira que sejamos, o que nos enche de frustrações e complexos e torna nossa existência vazia e sem sentido.

Contemplando tudo isso a pessoa acaba desejando voltar para o cativeiro, pois prefere se trancar em seu próprio mundo a viver nessa falsa liberdade.

A canção ‘Breakthrough’ foi escolhida como primeiro single. Ela é uma música bem acessível, com melodias fáceis, um refrão que envolve rapidamente o ouvinte. Embora seja uma música muito bacana, ela não representa toda a complexidade das músicas da banda. Vocês acham que isso pode desvencilhar um pouco da essência/identidade (Prog Metal) proposta pela banda?

Danilo: Acredito que não. Nunca vi o MindFlow como uma banda de músicas complexas, por assim dizer. Nossa proposta sempre foi fazer músicas que acompanhassem nosso estado de espírito, seguindo sempre o caminho que o conceito do trabalho dita.

Se é cabível se criar uma música com estrutura complexa, então vale a pena ser feito assim. Mas por outro lado, não vejo sentido em uma banda que faz músicas complexas apenas por fazer. E de certa forma, a cada novo trabalho, tentamos sempre apresentar algo de novo ao ouvinte, uma faceta diferente da banda, algo que o surpreenda... e acho que eles já esperam isso de nós.

Atualmente, como disse acima, abraçamos o desafio de sintetizar nossas idéias em músicas mais diretas, Breakthrough é o maior exemplo disso.

Além do Single, ‘Breakthrough’ se tornou vídeo-clipe, com uma conotação histórica bem legal, remetendo a filmes clássicos, como: Poderoso Chefão, Alma no Lodo, Al Capone. Contem-nos, como foi o processo de concepção do roteiro do vídeo? Qual a mensagem a ser passada com o vídeo-clipe? Quem dirigiu o video?

Danilo Fazer um clipe é sempre algo muito divertido. A idéia do Clipe de ’Breakthrough’ partiu de uma reunião que tivemos com o diretor André Moraes onde ficou decidido que o visual do clipe deveria ter o mesmo clima da capa do álbum "Destructive Device", assim como seu conceito, uma atmosfera de suspense e espionagem.

No clipe um velho mafioso, ao ver um álbum de fotografias antigas, relembra seus dias de glória como líder de uma gangue mafiosa. O clipe é repleto de imagens fortes e cores cuidadosamente escolhidas, desde as roupas dos jovens mafiosos até o sangue na sequência do tiroteio, isso tudo para dar ao clipe uma aparência de Graphic Novel, uma das grandes sacadas introduzidas no projeto pelo diretor André Moraes. O Clipe de ’Breakthroug’ pode ser visto na íntegra pela página do MindFlow no Myspace: www.myspace.com/letyourmindflow.

O álbum ‘Destructive Device’, como já foi mencionado, tem uma temática sombria e pesada. Há uma evolução e inovação no som apresentado no disco. Mas também inova com adição de duas faixas com sistema binaural - First Things First e Screwdriver Effect remetendo a sessões de torturas, mutilações flagelação e muita dor (escuto essas duas faixas me lembro de filmes, como: Jogos Mortais e Albergue). Expliquem-nos o conceito dessas duas faixas? Como surgiu a idéia? Quem gravou os gritos da pessoa sendo torturada e a voz do torturador? Não foi preciso torturar a pessoa de verdade, para chegar a esse resultado bem real, foi? (risos)

Ricardo Winandy - A idéia dessas duas faixas veio sobretudo da vontade de experimentar a gravação em áudio 3D, binaural. Essa gravação, quando escutada com headphones, dá a impressão para o ouvinte de estar participando da cena (no caso da tortura), e desperta sensações que com o áudio normal não é possível causar.
Elas fazem parte do nosso jogo “Follow Your Instinct”, em que as pessoas têm que encontrar um serial-killer. Nessas faixas os “detetives” presenciam uma tortura e no final são também torturados.
O mais interessante é que quem fez a voz da mulher sendo torturada foi a menina que ganhou o primeiro jogo. O nome dela é Natália, e ela foi uma ótima atriz (se tivéssemos torturado ela de verdade também não íamos contar). Já quem fez a voz do serial-killer é um segredo...

Vocês fizeram alguns shows (se não me engano dois, aqui no Brasil) com a banda Symphony X, nos contem como foi a experiência e, o que foi absorvido pelo Mindflow, em estar tocando com um dos principais expoentes do Prog Metal?

Rafael Pensado: Já conhecíamos o trabalho deles, todos os membros da banda foram muito atenciosos conosco, nos convidaram pra jantar em Manaus e pudemos trocar idéias, em 2008, Russel Allen, visitou o camarim do MindFlow e ficamos relembrando a turnê passada, Russel nos agradeceu durante o show deles, foi muito legal e uma honra tocar com eles.

Vocês já tocaram em diversos países e continentes, conviveram com diversas culturas e etnias, mas o país mais inusitado e com menos “peso” e expressividade no mundo Heavy Metal que vocês visitaram foi à Coréia do Sul. O que vocês podem nos falar sobre essa experiência?

Rafael: Coréia do Sul é um dos países mais desenvolvidos no mundo, provavelmente é o povo asiático mais extrovertido, todos os shows tinham um ótimo público e eles não tem vergonha em vir conversar, tirar fotos, etc....
O que mais chamou a atenção durante nossa estadia, é como eles conseguem mesclar o alto desenvolvimento tecnológico com a preservação cultural milenar, uma experiência que deixa qualquer um humilde.

Está disponibilizada para download, no site da banda, uma compilação chamada: ‘Just a Destructive Mind’. Essa coletânea só está disponível nesse formato? Se a resposta for positiva, há chance de lançamento dessa compilação, fazendo parte da discografia da banda?

Ricardo: A coletânea é uma seleção de algumas de nossas músicas preferidas dos nossos 3 discos, totalmente digital, e pode ser baixada gratuitamente pelo link music.letyourmindflow.com. Resolvemos fazê-la como um presente para os nossos fãs e para quem deseja conhecer a banda e ainda não teve oportunidade.
Ainda não temos planos de lançá-la em CD, até porque nossa principal intenção é a distribuição gratuita. Mas quem sabe num futuro próximo?

Com o lançamento do segundo disco ‘Mind Over Body’, surge à trama e game Alternate Reality Game (ARG) “FOLLOW YOUR INSTINCT” que envolve assassinatos, crimes, rede de intrigas e, principalmente, muito mistério. No novo disco - ‘Destructive Device’, há continuação da saga “FOLLOW YOUR INSTINCTS 2.0 - J.A.C.K.”, ou seja, jogo ganha um envolvimento maior ainda na carreira da banda. O que vocês podem nos falar sobre o conceito do game? E, qual seu grau de importância para a marca Mindflow?

Ricardo: O jogo é basicamente uma caça a um serial-killer através de pistas no CD, música, encarte, sites, etc. Quem se propõe a jogar se coloca como um detetive para conter o assassino e evitar mais mortes.
Ele surgiu como uma brincadeira no álbum Mind over Body que vinha com um encarte em quadrinhos exclusivo para ele. Como mais de 3.000 pessoas participaram dessa brincadeira com a gente, e o assassino ainda está à solta, o jogo continuou numa nova versão.

O Destructive Device já vem cheio de pistas no pôster, encarte, faixas binaurais, luva, músicas, e o novo site tem uma área com vários ambientes do hospital psiquiátrico do qual o assassino fugiu, além do blog do J.A.C.K..
Quem quiser começar a jogar pode fazer pelo link www.mindflow.com.br/followyourinstinct.

O que é Mindflow Street Team?

Ricardo: É um exército de fãs que se juntam para executar algumas missões e em troca disso recebem prêmios como camisetas, CDs, encontros com a banda, ingressos de show, além de acesso a uma área exclusiva com material exclusivo, entre outras vantagens.

Vemos o pessoal do Street Team como membros da banda, mantemos um contato muito próximo com todos que fazem parte.
E qualquer um pode participar, não importa o tempo que têm disponível ou o conhecimento sobre a banda. Para saber mais informações, basta acessar o site www.letyourmindflow.com/stbrasil.

Quais os planos para turnê 2009? Há planos para um giro europeu e norte americano?

Ricardo: No momento estamos fazendo alguns shows aqui no Brasil junto com o Sepultura e o Angra e estamos em negociação para uma turnê nos Estados Unidos no segundo semestre.

É considerada a idéia para gravação de DVD e/ou Cd ao vivo?

Rafael: Sim, temos isso em mente, mas não temos pressa para lançar ainda, como tudo o que fazemos, será de uma forma não usual, temos muitas cidades que queremos visitar antes de registrar oficialmente uma apresentação.

Para encerrarmos essa entrevista, gostaria que a banda elegesse três álbuns expressivos (na opinião de vocês) das respectivas décadas - 70, 80, 90.

Rafael: Anos 70- Yes / The Yes Album - Anos 80- Rush / Moving Pictures
Anos 90- Metallica / Black Album

Agradeço muito a disponibilidade e atenção que nos foi dada, desejamos muito sucesso e vitórias ao Mindflow. Ficamos orgulhosos de ver uma banda brasileira alcançando uma posição de destaque. Esse espaço é reservado para vocês...

Rafael: Agradecemos pelo interesse no nosso trabalho! Vida longa ao Novo Metal e Let your MindFlow....

Nota: Fiz essa matéria para o site Novo Metal: http://www.novometal.com/entrevistas/exibir.php?id=263

Nenhum comentário:

Postar um comentário